sexta-feira, 13 de julho de 2018

Jackson do Pandeiro com uma caninha



No dia 11 de julho, completaram-se 36 anos em que o mundo da música perdeu o grande Jackson do Pandeiro.
Nenhum boteco que se preze pode esquecer do grande músico, aqui fazendo merchandising para a Cachaça Caranguejo.

Veja aqui Jackson cantando "Chiclete com Banana"
https://www.youtube.com/watch?v=EWjLg74cS4A

Revendo o ex-Bar do Zé, Rua Maria Antônia com Dr. Vila Nova



Por Washington Luiz de Araújo, jornalista
Outro dia, a amiga Maria Christina recordou no Facebook o antigo do Bar do Zé, na famosa esquina da Maria Antônia com a Rua Doutor Vila Nova, Vila Buarque (SP). Pois bem, no sábado, 02 de junho, passei por lá com meu mano Lula e demos uma olhadinha por nós e pela Christina de como anda o ex-bar do Zé. tomamos umas, lógico.
O ex-Bar do Zé vai bem, obrigado. Guardadas as circunstâncias, continua, pelo menos, como bar, pois muitos outros pés sujos deste mundo de meu Deus viraram outras coisas, no mínimo butique de chope.
Na parede, como vocês virão, lembranças do que o antigo Bar do Zé presenciou e foi cenário, como a famosa batalha da Maria Antônia, embate da turma da Filosofia contra os trogloditas de então do Mackenzie. Época em que o líder, outro Zé, o Dirceu era um dos jovens comandantes de uma luta ferrenha contra os fascistas da época.
Pois é, Christina, o Bar do Zé é hoje só foto na parede, mas como dói. Tempo em que a ditadura batia, arrombava portas, torturava, matava. Pior é que quando abrimos os olhos, vemos hoje uma ditadura que prende, tortura psicologicamente, leva à morte.
Saudades daqueles tempos só da boa música, da resistência, mas, pelo menos existiam bares do Zé espalhados por todo o pais, que eram trincheiras para matar nossas dores.
PS: Quem quiser se inteirar mais sobre a Batalha da Maria Antônia ler ‘Vila Buarque – o Caldo da Regressão’, do jornalista e amigo do blog Marcos Gama.




Certíssimo


sexta-feira, 20 de abril de 2018

AmBev, a transgênica que se esconde nos rótulos


Não só de prazer etílico vive o blog. Melhor dizendo: o blog só quer viver de prazer, inclusive o etílico, por isso faz coro à denúncia do amigo Manu Castrum, especialista no viver bem nos aspectos etílicos, gastronômicos e, principalmente, com as pessoas. 

Por Manu Castrum

A AmBev, controlada pelo golpista Jorge Paulo Lemann e financiador de grupos fascistas, vem, faz alguns anos, mentindo nos seus rótulos de cerveja: omite que os ingredientes da bebida são os transgênicos milho, sorgo, soja e outras merdas, e substituiu toda essa mistureba pela expressão genérica “cereais não malteados/maltados”. Um juiz federal de Goiás decidiu que o consumidor tem o direito de saber o nome dos cereais efetivamente utilizados.


O físico Rogério Cerqueira Leite já havia denunciado essa picaretagem e, ainda, acrescentou que o lúpulo utilizado é de qualidade inferior, o que exige a utilização de vários conservantes químicos. Mas eles, que tudo podem, vão derrubar a decisão. O banqueiro Daniel Dantas já avisou: “lá em cima eu resolvo”.

quinta-feira, 5 de abril de 2018

Cerveja com toda a segurança



Como disse um amigo do Zap: 
"Eu não sei quem é, mas deve ser alguém importante... 
Vejam o esquema de segurança para que ele possa tomar uma cerveja sossegado..."