terça-feira, 13 de agosto de 2013

Nota de falecimento



Faleceu ou foi "falecida" hoje, dia 13 de agosto de 2013, uma árvore na Praça São Salvador.

Não era uma árvore qualquer.

Era uma das maiores e mais antigas da Praça.

Por volta das 8h30 da manhã, dois caminhões da Comlurb vieram providenciar o desligamento dos aparelhos.

Ou melhor, vieram ligar os aparelhos, motoserras e outros de menores poderes, para derrubarem a então eterna árvore.

Disseram que ela estava doente e que, por isso, foi  serrada, jogada por terra.
Enfim, sacrificada.


Fica a pergunta: se estava doente, não tinha cura?


O blog apurou que um engenheiro esteve pela parte da manhã no local do ocorrido e decretou o fim da agora falecida árvore.

Nós do blog ficamos muito tristes.
Pois ela compunha a bela paisagem que vislumbrávamos de nossas mesas prediletas na Adega da Praça.

Quantas vezes colocamos visitas nas cadeiras frontais a esta árvore para que se deliciassem com sua beleza e exuberância?

Agora só resta um toco. Um grande toco do que foi esta esplendorosa árvore.

Por horas, ela ficou lá no chão, a guisa da curiosidade e tristeza dos populares.

Como a sussurrar: não tem jeito, a hora de todos vai chegar.

Deixou várias companheiras que dividiam com ela exuberância e sombra. 

Resta-nos apelar aos especialistas que não deixem que as outras poucas colegas desta que se foi se vão também.

Foi-se uma árvore e fica a constatação: a Praça São Salvador está menos praça.






5 comentários:

Castanheira disse...

É sempre ruim ver tombar uma árvore, mas da Praça são Salvador, donde nevavam florezinhas amarelas, é uma tristeza superlativa...

Um Século de Música Brasileira disse...

esta menos praça também sem a música, o que restou? só o choro aos domingos?

Diretoria do blog disse...

Faço minhas as palavras do colega de bar, de praça, de papos e, mais importante, co-editor desse blog, o Washington Araujo.

Erhos Araujo disse...

Lembro bem dela. Quando cheguei na praça São salvador ela me acolheu de folhas abertas, agora fica esse vazio que infelizmente cairá no esquecimento pois, o que é vivo um dia morre, ou é morto...

Erhos Araujo disse...

Lembro bem dela. Quando cheguei na praça São salvador ela me acolheu de folhas abertas, agora fica esse vazio que infelizmente cairá no esquecimento pois, o que é vivo um dia morre, ou é morto...